17 de janeiro de 2020, às 18:32

Governo de Sergipe e sociedade civil se unem para elaborar ações coletivas contra a exploração infantil


A formação de um coletivo para enfrentamento ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes bem como ao trabalho infantil no Estado foi tema de reunião, nesta sexta-feira (17), entre representantes do Governo de Sergipe e da sociedade civil que atuam em prol do assunto. O encontro aconteceu na sede da Secretaria de Estado da Inclusão e Assistência Social – SEIAS e foi o primeiro passo para a criação de uma agenda integrada de ações, que tem o objetivo de envolver diversas áreas sociais.

Segundo a diretora de Assistência Social da SEIAS, Inácia Brito, o próximo passo será fazer um mapeamento estatístico estadual para, depois, traçar propostas de enfrentamento. “Nós estamos puxando esse coletivo para que possamos construir uma proposta única de intervenção coletiva em todos os setores. Este foi o primeiro momento de composição de um grupo de trabalho com o objetivo de combater essas duas formas de violação de direitos da criança e do adolescente. Após o levantamento de registros e dados, partiremos para a construção efetiva de propostas de intervenção coletiva e integrada”, explicou.

A assistente social e representante da sociedade civil no Conselho Estadual de Assistência Social (CEAS), Alzira Maria Carvalho Leite, destacou que a união entre setores da sociedade é importante para gerar uma rede de apoio às crianças e adolescentes. “Este encontro foi muito importante para construir e agregar opiniões de pessoas que são experientes na área. O abuso e a exploração infantil é uma realidade que existe através de alguém que corrompe e também através de alguém que, por desinformação ou vulnerabilidade social, é corrompido. A elaboração de uma agenda conjunta de ações é o primeiro passo de um longo caminho, para que esse ciclo de violência seja encarado e interrompido de forma efetiva”, afirmou.

Entre os participantes da reunião também estava Nailton Santos, representante do Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil em Sergipe (Fepeti/SE). Para ele, o apoio do Estado é fundamental para o fortalecimento das ações. “A gente já vem nessa caminhada há alguns anos, lutando contra a exploração e o trabalho infantil. O papel do Estado em nos chamar para esta reunião, para que possamos consolidar um coletivo e discutir ideias, com certeza fortalecerá ainda mais essa caminhada pensando no público-alvo. Quanto mais as instituições estiverem unidas na luta, mais eficaz será o nosso trabalho”, disse.

| Fotos: Alanna Molina

Atualizado: